quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Faith - George Michael.

Na primeira postagem deste blog, disponibilizo uma resenha do álbum "Faith" de George Michael. Outras de minha pequena (por enquanto - rs) coleção virão. Agradeço os comentários e divulgação. As fotos estão no final da postagem. Saudações a todos os colecionadores pelo Brasil!

Faith

Este álbum de 1987 nasceu de 2 anos de germinação após o fim do Wham, a aventura new wave de George na primeira metade da década de 80. É um álbum simples, econômico (o próprio George assina 8 das 9 faixas e assume sozinho as sequenciações em uma ou outra faixa, o que não é pouco!), mas de arranjos muito bem trabalhados e pontuados por sinuosas linhas de baixo, guitarras sutis, teclados matadores e grandes backing vocals até mesmo do próprio artista. Tanto as músicas dançantes quanto as baladas estouraram no mundo afora e o tornaram definitivamente um astro pop.

Michael consegui penetrar não somente nas paradas tradicionais (Billboard) como também nas de música negra - com uma impressionante execução vocal (como em "Monkey").









"Faith" é faixa de abertura, com um riff de violão, batida juvenil feita sob medida para as pistas de
dança e um videoclipe simples que chamava todo mundo a balançar - explorando ao máximo a facilidade da então emergente e poderosa Mtv. Aliás, G. Michael creio até faturou melhor clipe de artista solo nesta mesma época por performance masculina em "Father Figure" - uma das baladas mais belas dos oitenta e com grande participação dos backing vocals.

"I want your sex" - em duas partes - fala abertamente do que o título sugere, quase sem meias palavras e é interessante de se acompanhar a letra explícita. Aliás, o tema central do disco é a relação a dois, exposta de maneira corrosiva em "Monkey", onde ele critica sua beldade por não se livrar de companhias parasitas como um obstáculo para ambos.

A crítica se diz presente em "Hand to mouth" (minha predileta), com um teclado marcante e um baixo flutuante pontuando uma letra que fala de jovens à deriva da sociedade.

"Look at your hands" é uma crítica mais pra cima, falando de um antigo caso seu em que ele lamenta o fato dela agora ser mãe de 2 filhos, infeliz e com um companheiro problemático...

Mas são as duas baladas que fecham os lados que mostram a capacidade do tenor Michael: "One more try" é extremamente fria, trazendo aquele sentimento de perda, onde o som de órgão e teclados sombrios revelam uma relação quebrada com a dita "professora" da letra. George explora nesta todo o seu poder vocal com o qual pôde impressionar o estádio de Wembley na homenagem a Freddie Mercury em 1991 (cantando "Somebody to love"). "Kissing a fool" já é mais pra cima, com um som de piano de cauda trazendo um clima de bar esfumaçado em fim de noite e um tema transcorrendo sobre a falsidade do mundo e um sentido de abandono que as pessoas podem causar.

Sete de suas músicas entraram nas paradas - seis delas no primeiro posto em listas diversas - e tornaram o disco um dos mais conceituados dos anos 80. Os impressionantes números do álbum podem ser vistos em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Faith_(%C3%A1lbum_de_George_Michael).

Esta minha cópia provém da Holanda, e, além do encarte branco com uma foto do artista - que não veio na versão brasileira - traz também um pequeno avulso de advertência sobre os perigos da AIDS, então surgindo como uma ameaça mundial. O segundo encarte com as letras também está mais compacto do que o que saiu no Brasil. Um grande disco, afinal. Boa audição.