quinta-feira, 28 de maio de 2015

XIV Feira de vinil do Instituto Bennet, RJ - 14 de junho.

Pois é. A melhor feira do Rio teve lugar no já tradicional Instituto Bennet num dia fabuloso de sol outonal na cidade, praticamente ocupando o domingo inteiro para delírio dos compradores. Ótimo ambiente, com tudo encima - lanchonete, banheiros e organização 10!



Os expositores conhecidos - Zoyd, Locomotiva, Zico & Chico, Zoeira (SP) e outros paulistanos atraídos pelo sucesso da feira compareceram. As já tradicionais lojas cariocas Tropicália Discos, Mara Records e Lovinyl obviamente marcaram presença. A feira "bombou" como já era esperado, com ofertas para todos os gostos e preços diversos.
  

Particularmente foi a melhor feira para mim. Levei os seguintes itens para minha coleção - que vem crescendo mês a mês. E o melhor, paguei preços justos por todos: 
  • Echo & the Bunnymen (Songs to learn and sing, nacional) - impecável;
  • Siouxie & the Banshees (Once Upon A Time / The Singles, nacional) - impecável;
  • Nirvana (Nevermind, importado) - reedição com as letras e vinil vermelho!;
  • Deodato (Prelude) - edição de 1973;
  • Zé Ramalho (A peleja do diabo contra o dono do céu) - completo, impecável;
  • Pink Floyd (The dark side of the moon, nacional) - em ótimo estado e barato, o que é difícil;
  • Pink Floyd (Meddle) - edição americana impecável; 
  • U2 (Boy, nacional) - impecável e ainda veio um pôster da banda que saiu na BIZZ de 1985!;  

 Já deixa saudades e aguardamos pela próxima a ocorrer no segundo semestre. Bye!
 

quarta-feira, 6 de maio de 2015

The view from the top - Cat Stevens.

Nesta postagem falo de um disco que é uma compilação de músicas de Stevens de suas primeiras gravações (8 músicas de "Matthew and Son" e 9 músicas de "New Masters", sendo ambas de 1967) e que antecipavam o enorme sucesso do músico na década seguinte. Contém jóias pop que já prenunciavam aptidões radiofônicas como "Granny", "The First Cut Is The Deepest" e "The View From The Top".


Nada comparado ao estouro mundial do compositor com o álbum "Tea for the tillerman" (de 1970). Após uma década de intenso sucesso, Cat deixou a música em 1980 retornando apenas em 2006 com o nome Yusuf Islam, não sem antes produzir ele mesmo polêmicas fora da indústria do disco. Bem, vamos a algumas breves observações minhas sobre a obra:

A1) Where Are You - Linda balada, bem ao estilo que o consagrou.     
                                                                              
A2) Northern Wind - Com arranjos de cordas, bem densa. Outra que poderia muito bem ser tema de filme de época.

A3) It's A Super (Dupa) Life - Pop de rádio, alegre e descompromissada. Se Jean Luc Godard tivesse filmado "Acossado" no final dos anos 60, esta poderia tranquilamente ser tema do filme.
                    
A4) Lady - Balada tranquila e com um vocal cantado de forma moderada. Destaque.
               
A5) Bring Another Bottle Baby - Das minhas favoritas. Arranjo leve, bem tropical, típico som das canções californianas anos 60. 
               
A6) Granny - Esta chega a figurar entre os sucessos da primeira fase de sua carreira. Possui um dos melhores arranjos e melodia bem trabalhada.
              
B1) The Tramp - Interessante tema social com base em voz & violão e breve e bela intervenção de metal à moda hispânica.
                
B2) I'm So Sleepy - utilizando a voz no estilo infantil, Cat nos brinda com uma das melhores melodias do disco, bem intimista.
              
B3) Blackness Of The Night - pop music ao estilo balada intimista e com letra "lírica", lembra o tema A2 mas menos pomposa nos arranjos. Alcançou junto à "Kitty" apenas a posição 47 na parada britânica. 
                
B4) The First Cut Is The Deepest - sucesso do cantor e carro-chefe, a interpretação emotiva é uma das mais marcantes de sua carreira. Esta canção, além de sucesso em sua voz, também o foi com quatro outros artistas em regravações!
                  
B5) Come On Baby (Shift That Log) - harmonia dançante, sem grande destaque.
                    
B6) Humming Bird - Evoca uma nostalgia renascentista, com alta riqueza harmônica.
                     
C1) The View From The Top - Melodia bem trabalhada com orquestração pomposa, também um dos pontos altos do disco. Creio fale sobre um tema espiritual como tantos ao longo de sua carreira.
                     
C2) Portobello Road - Homenagem à famosa feira londrina. Alegre e viva, típica folk-song com assobios pontuando a harmonia, foi o primeiro single de 67 (segundo da carreira), alcançando o posto 28 na parada britânica. 
                                                                             
C3) I'm Gonna Be King - Apenas uma pop music ao longo do disco com timbres datados dos anos 60. Sem maior importância.
                 
C4) Moonstone *- Sua força reside na rica melodia, com instrumental de cordas bastante cheio.
                    
C5) I Love Them All *- Assim como outras desta fase, possui características típicas das canções dos anos 60, com final "lírico", eu diria...  
                     
C6) I've Found A Love - Típica música para as rádios, baseada em riff de violão e um regrão ganchudo. Pop song com uma ponte interessante.
                     
D1) Come On And Dance *- Pontuada por metais, também soa datada.
                     
D2) Image Of Hell - Com arranjo de country song, esta balada pungente lembra bastante as composições dos Bee Gees na década. A letra é sobre relacionamentos. 
                     
D3) I'm Gonna Get Me A Gun - De harmonia bem alegre e com ritmo frenético, creio ser uma crítica social bem ao estilo corrosivo de Cat. Alcançou o posto 6 na parada britânica.
                     
D4) A Bad Night - Pop de rádio com ritmo suave, poderia bem ser trilha de filmes de época.
                     
D5) Ceylon City *- Outra com características de arranjo e estrutura típicas dos anos 60 (junto às demais com *). Sem maior destaque. 
                     
D6) School Is Out - A harmonia segue a melodia em vários pontos e tem uma ponte instrumental maneira...mas nada comparada a outro sucesso seu com o tema escola: "Old school yard".

 
Esta edição é da Espanha (selo DERAM), duplo, com linda capa e contracapas. O formato gatefold traz duas fotos preto-e-branco do músico sacadas ao vivo. Uma belezura. Há outra edição (do selo DECCA) com a capa trazendo uma outra foto do cantor - mas na minha opinião, menos interessante.
Eu havia comprado este na extinta e saudosa "Modern Sound" em Copacabana e me desfeito do mesmo em 2011 (sic). Para minha surpresa, mais de 3 anos depois o mesmo disco voltou para mim. Sim, é o (meu) mesmo disco! Sei disso por alguns sinais perceptíveis no label e capa. Nem acreditei.
E o mais interessante é que pude ouvir melhor a obra e valorizá-la muito mais. Como o nosso momento de vida muda a "visão" da audição, não?
 
Fica a dica para quem quer conhecer o excepcional músico que é Cat Stevens,
antes da imensa fama nos anos70.