terça-feira, 16 de agosto de 2016

Lapis de cor - Fátima Guedes (1981).

[post em: 21/MAR/16]
               A música de Fátima está no meu inconsciente desde a adolescência por causa da execução nas rádios da fenomenal "Cheiro de mato" (1980) que marcou muito aquela fase da minha vida e
de nossa MPB. Curioso por querer conhecer mais da artista, terminei conhecendo outros
trabalhos dela e destaco este!


               Lápis de cor (1981) é seu terceiro álbum pela EMI Odeon e teve boa receptividade de crítica
após dois álbuns muito fortes e a participação na final do MPB Shell 80 com "Mais uma boca".
Fátima chegou neste trabalho maduro já com a respeitabilidade da mídia e de artistas consagrados.
O álbum, na minha visão, é uma ode ao amor, às lembranças da infância, ao sentimento da mulher
ainda lutando para liberar seus medos na ainda machista sociedade do começo da década. Vamos a ele...
               "Arco íris" tem o piano de Eduardo Souto Neto - maestro do Rei Roberto Carlos - permeando a linda melodia onde Fátima passeia entre a fantasia de fadas e gnomos. "Fraqueza" e "Desacostumei de carinho" (segunda do lado B) falam da mulher em estado de ruptura no dilaceramento de relações afetivas, tema tão presente na obra da cantora. "Pelo Cansaço" é um samba à Paulinho da Viola (pelo menos me remeteu a tal) com excelente presença de metais e arranjo cheio, com muito balanço. Em "No fim da casa" ela descreve com ternura imagens e momentos vividos com seu avô - em letra comovente - ao lembrar tempos passados nos detalhes de uma convivência que suplanta o tempo. Os versos muito especiais e a entrega interpretativa da cantora fazem desta uma faixa muito emotiva. Impossível não lembrar do meu próprio avô...Saudades... "A bailarina" encerra o lado A apenas com teclado e voz. Faz uma ponte entre a solitária dançarina da caixinha de música e o sentimento da compositora. Linda, suave, quase se podendo vislumbrá-la num quarto triste num fim de tarde a alegrar a alma da casa...


               O lado B abre com a canção-título, obrigatória para quem escolhe manter a criança que vive dentro de nós ativa, mesmo face aos desequilíbrios da vida! Emociona com uma interpretação magistral de Fátima - dando um acento propositalmente infantil - que permeia a linda melodia formando um conjunto harmônico irresistível e majestoso. Esta é uma das canções que me faz chorar sempre que a escuto..."Celeste" é como o título: calma, com harmonia belíssima liderada pelo teclado sempre marcante de Gilson Peranzetta. "Bicho medo" traz uma levada com arranjo de sotaque nordestino deliciosa. "Eu" fecha o disco numa letra desabafo maravilhosa com a presença de Simone, num arranjo deslumbrante pontuando a melodia. Não há como descrever o contraponto vocal entre as duas lá pelo fim da música!


               Eu havia me desfeito deste LP em 2011, porém fui atrás e o recuperei na mesma loja que havia comprado meu lote. Foi uma injustiça contra a minha pessoa. Fátima o autografou. Este é definitivamente um LP que me emociona fundo. A leveza e afinação da voz da Fátima, combinada às belas harmonias em canções ternas e cheias de saudosismo nas letras atinge em cheio o coração. Se você gosta de MPB corra atrás desta obra que traz a capa (do consagrado artista Elifas Andreato) em formato de encaixe, como se fosse mesmo a saudosa caixa de lápis de cor da Faber Castell. Obra maiúscula de nossa música. 

        
                Seu mais recente trabalho é "Transparente", o qual me permitiu estar com a cantora
no show de lançamento do Rio de Janeiro (fotos 3 e 4), um luxo! Saudações. A página oficial de Fátima é:
 
http://www.cantorasdobrasil.com.br/cantoras/fatima_guedes.htm  

4 comentários:

  1. Legal, Álvaro.
    Um belo item. Autografado então, mais ainda.

    ResponderExcluir
  2. Valeu, Alexandre...gosto muito deste.

    ResponderExcluir
  3. Bela resenha, Álvaro! Parabéns! Fátima Guedes é uma das vozes mais lindas do Brasil, ou talvez do mundo...uma artista que não recebeu o valor que merece.

    ResponderExcluir
  4. Grato, Dorta. Realmente, ela deveria ter sido muito mais valorizada tanto por crítica quanto por público.
    Mas isto é parte da degeneração pela qual passou nossa mídia cultural desde os anos 90...papo muito longo, né? Saudações e volte sempre.

    ResponderExcluir